IMC – o que é e como o calcular?

IMC – o que é e como o calcular?

O IMC é uma medida muito importante se você está buscando saber se está acima do peso ou não. Dessa forma, conhece-la é fundamental.

Para ajudar você a entender mais sobre o IMC, eu preparei o artigo de hoje sobre o assunto. Ficou interessada em saber mais? Então acompanhe comigo agora mesmo!

O que é IMC?

IMC ser baseada em duas variantes altura e peso corporal.

O índice de massa corporal (IMC) é uma medida baseada em duas variantes: altura e peso corporal. A fórmula padrão se aplica a homens e mulheres adultos.

A fórmula é simples: IMC = peso (kg) / altura (m2).

Aqui estão as diferentes categorias de IMC criadas por organizações oficiais de saúde:

  • Peso insuficiente = <18,5
  • Peso normal = 18,5-24,9
  • Excesso de peso = 25-29,9
  • Obesidade = 30 ou mais

Se o seu índice de massa corporal for menor que 18,5, você será considerado abaixo do peso. Os riscos à saúde associados ao baixo peso incluem osteoporose, infertilidade e um sistema imunológico fraco. Abaixo peso também pode indicar um distúrbio alimentar ou outra doença subjacente.

Se o seu índice de massa corporal estiver entre 18,5 e 24,9, essa é a faixa de peso considerada “saudável”. Isso pode reduzir o risco de desenvolver problemas de saúde relacionados ao peso.

Por outro lado, se o seu IMC for 25 ou mais, você corre o risco de desenvolver diabetes, doenças cardiovasculares e certos tipos de câncer.

De fato, o índice de massa corporal é um cálculo útil para:

  • Qualificar sobrepeso ou obesidade;
  • Obtenha uma estimativa melhor da gordura corporal;
  • Estimar o risco de doenças cujo risco aumenta com o excesso de peso: doenças cardíacas, pressão alta, diabetes tipo 2, cálculos biliares, problemas respiratórios e certos tipos de câncer.

Quanto maior o seu IMC, maior o risco dessas doenças crônicas.

Um pouco de história no IMC

O  índice de massa corporal é foi criado no século 19, quando um estatístico belga chamado Adolphe Quetelet, pioneiro estudos sobre crescimento humano, desenvolveu o Índice de Quetelet da Obesidade em 1832.

Ele observou que o aumento de peso como o quadrado da sua altura. Assim, seu índice mediu a obesidade dividindo o peso de uma pessoa em quilogramas pelo quadrado de sua altura em metros, o mesmo cálculo que conhecemos hoje.

A obesidade vista como uma “doença” com complicações bem definidas remonta a cem anos. Durante grande parte da história humana, a gordura corporal foi considerada positiva, um sinal de riqueza, boa saúde e comida abundante.

Mas no início dos anos 20, a indústria de seguros tem documentado a relação entre o peso de seus segurados e doença cardiovascular e mortalidade. Posteriormente, os cientistas seguiram o exemplo para realizar estudos epidemiológicos.

As apólices de seguro de vida criaram tabelas de pesos de peso desejável. Posteriormente, a obesidade foi considerada entre 20% e 25% acima dessa faixa desejável e a obesidade mórbida foi de 70% a 100% acima da faixa desejável.

Na década de 1960, o índice de Quetelet foi usado como indicador de peso em estudos clínicos. O estudo de Framingham, em 1970, foi um dos primeiros a confirmar sua validade.

O pesquisador Ancel Keys também confirmou a validade do Quetelet Index, renomeando-o como IMC em 1972. Então, o IMC se tornou um padrão internacional para medir a obesidade na década de 1980 e passou a fazer parte da linguagem convencional.

Hoje, o National Institutes of Health recomenda que os médicos incluam o IMC em suas avaliações de rotina dos pacientes.

IMC pode ajudar a identificar obesidade

Os benefícios do cálculo do IMC

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), o cálculo do IMC é um dos melhores métodos para avaliar sobrepeso e obesidade na população.

Como o cálculo requer apenas tamanho e peso, é barato e fácil de usar para os médicos e o público em geral. Também permite que as pessoas comparem seu próprio status de peso com o da população em geral.

Ainda há relatos de que o índice de massa corporal está correlacionado com o nível de gordura corporal da maioria das pessoas. Além disso, o excesso de gordura corporal está correlacionado com a morbidade atual e futura.

A menos que você seja um fisiculturista, ter um IMC igual ou superior a 30 certamente indica um alto nível de gordura corporal. Algumas pessoas nem sabem que estão na categoria dos obesos.

Portanto, isso pode se tornar um incentivo para mudar os hábitos de vida. Ao usar o  índice de massa corporal, é fácil identificar essas pessoas em risco e poder ajudá-las mais. Em uma pessoa em perda de peso, a redução do IMC também pode ser usada como motivação.

E-Book 7 Receitas de Shake caseiro

Como fazer? Shake caseiro. POR TEMPO LIMITADO, pegue agora mesmo sua cópia gratuita do E-book. As cópias gratuitas já estão se esgotando!

Digite Abaixo Seu E-mail para que possa envia o e- book para você gratuitamente

IMC – o que é e como o calcular?

IMC e problemas de saúde

A Organização Mundial da Saúde relata que um IMC alto está associado a 21% das cardiopatias isquêmicas, 23% dos derrames, 58% do diabetes tipo 2 e 39% da hipertensão.

Um  índice de massa corporal acima de 30 também está associado a um risco aumentado de câncer, problemas articulares, infertilidade e mortalidade.

Dados de instituições também descobriram que mulheres e homens de meia idade que ganhavam entre 5 a 10 kg após os 20 anos de idade tinham três vezes mais chances de desenvolver doenças cardíacas, diabetes tipo 2, pressão alta e cálculos biliares do que aqueles que haviam ganho 2,5 kg) ou menos. Aqueles que ganharam mais de 10 kg tiveram um risco ainda maior.

Em um estudo realizado em Londres, indivíduos com IMC mais alto corriam maior risco de várias doenças crônicas. Além disso, os jovens obesos tinham perfis semelhantes aos idosos que não eram obesos.

Outro estudo demonstrou que a taxa de mortalidade era mais baixa quando o IMC estava entre 22,5 e 25. Com um  índice de massa corporal de 30 a 35, a expectativa de vida foi reduzida de quatro para dois anos e de 40 para 45, foi reduzido de dez para oito anos, o que é comparável aos efeitos do tabagismo.

Limites ao IMC

Muitas pessoas argumentam que o índice de massa corporal é apenas uma proporção entre peso e altura e não é um bom indicador de gordura corporal. O IMC não indica a diferença entre gordura, músculo ou massa óssea. Também não fornece nenhuma indicação da distribuição de gordura corporal.

No entanto, é importante mencionar que a obesidade se resume basicamente a níveis excessivos de gordura corporal, não de peso corporal. A Organização Mundial da Saúde define obesidade como um excesso de gordura corporal significativa que leva a riscos para a saúde.

Para o mesmo IMC, o grau de gordura corporal pode variar. No mesmo IMC, as mulheres tendem a ter mais gordura corporal do que os homens. Esta ferramenta, portanto, não distingue entre os dois sexos.

Também pode levar a uma sensação de falsa segurança. De fato, pessoas com IMC normal ainda podem estar em risco de desenvolver diabetes ou doença cardiovascular, dependendo da distribuição de gordura corporal (abdominal ou não).

Além disso, indivíduos com um  índice de massa corporal normal, mas que fumam, sedentários e / ou com hábitos alimentares muito ruins podem estar em maior risco de problemas de saúde, se não mais do que outro indivíduo cujo IMC é mais alto, mas tem uma saúde saudável.

Em resumo, usando apenas o  índice de massa corporal, não podemos identificar todas as pessoas em risco.

Finalmente, nas pessoas em processo de mudanças no estilo de vida, com uma mudança na dieta e no exercício muscular, não é incomum que o peso se mova pouco na balança e, portanto, o IMC também não mude mais.

No entanto, em muitas mudanças pode ter ocorrido: aumento da massa muscular, diminuição da gordura corporal, melhor distribuição da gordura corporal, por exemplo. O IMC não pode, portanto, refletir todas essas modificações corporais benéficas para a saúde.

indicador de gordura corporal

Exceções do índice de massa corporal

O IMC classifica incorretamente atletas com níveis de gordura completamente normais ou até mais baixos como excesso de peso.

Padrões separados devem ser estabelecidos para populações esportivas. Atletas com massa muscular muito desenvolvida e com índice de massa corporal acima de 25 devem, portanto, ficar menos alarmados com essa categorização, pois a gordura corporal é prejudicial à saúde.

Em pessoas com 65 anos ou mais, um IMC entre 23 e 27 mostrou ser mais ideal para as taxas de sobrevivência do que a faixa padrão de 18,5 a 25.

Em mulheres grávidas ou amamentando, o uso do IMC não é recomendado. O ganho de peso desejável durante a gravidez é, contudo, baseado no  índice de massa corporal da mulher grávida antes da gravidez.

Quanto menor o peso antes da gravidez, mais peso a mulher grávida terá que ganhar. Por outro lado, para uma mulher com excesso de peso antes da gravidez, não é desejável ganhar muito peso porque as reservas já são ótimas.

Conclusão

Se você achar que seu IMC não o classifica adequadamente, converse com um profissional de saúde. Por exemplo, se você está classificado como abaixo do peso, mas sempre teve esse peso, peça ao seu médico para avaliar sua saúde e fazer um exame de sangue para detectar possíveis deficiências.

Por outro lado, se você está classificado com excesso de peso, mas pratica musculação 5 dias por semana, pode estar em muito boa saúde, pois seu nível de gordura deve ser relativamente baixo.

Lembre-se de que o tecido muscular ocupa muito menos espaço que o tecido adiposo, sendo o músculo aproximadamente 18% mais denso que o tecido adiposo.

Gostou de saber mais sobre o IMC? Então não deixe de acompanhar os demais artigos do blog, tenho muitas outras novidades para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *